Laboratório de inovação para empresas de mídia no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

29 julio, 2022

Equipo OS

Atuamos no Brasil há mais de uma década junto com a ISE Business School e seu programa Estratégias Digitais para Empresas de Mídia -antes denominado Master em Jornalismo para Editores (1997 a 2004) e Master em Jornalismo-Gestão Estratégica e de Marcas (2005 a 2016) -. O programa é líder absoluto no Brasil na formação de jornalistas e gestores de empresas de mídia. Neste 2022 temos o orgulho de apresentar e compartilhar o manual de trabalho Outliers School em versão portuguesa e adaptado às necessidades de formação dos gestores de media, graças aos esforços das professoras Glaucia Noguera e Ana Maria Brambilla.

Outliers School é uma escola itinerante de ideação ágil para resolver desafios em meios de comunicação, universidades e outras instituições de ensino ibero-americanas. Somos uma consultoria não tradicional e, ao mesmo tempo, baseamos nosso trabalho em uma combinação de técnicas para promover o codesign, contando com uma equipe com mais de vinte anos de experiência em pesquisa e no mercado de mídia, em educação e em cultura digital.

Trabalhamos sob três premissas: promover soluções de execução rápida e baixo custo; inovadoras – de acordo com a situação do setor para o qual trabalhamos; e escaláveis, a partir de um produto mínimo viável. Desde 2013, ajudamos universidades, departamentos vinculados à administração pública, empresas, coletivos e empreendedores a resolver seus desafios e a construir transformações que sejam emocionalmente significativas. Algumas dessas ideias são a reinvenção da formação para modelos híbridos expandidos; o design de aplicativos e novos formatos de aprender-fazendo na educação pública básica; a invenção de narrativas transmídia; a criação de laboratórios e redes autônomas de aprendizagem; o redesenho de interfaces com base na usabilidade e economia de tempo nas transações; a criação de novas intermediações no contexto da economia compartilhada; ações na economia circular e na monetização de oportunidades nos nichos da cauda longa da cultura digital e da educação.

Essas são nossas protopias, termo que tomamos de empréstimo do grande Kevin Kelly (2016) quando ele aponta que «nosso destino como sociedade não é utopia ou distopia, mas protopia, uma visão possível de um futuro melhor. O ‘pro’ da protopia é a noção de progresso e processo. (…) Essas visões protópicas não serão tão emocionantes quanto as distopias ou as utopias, mas podem ser suficientemente motivadoras para apontar para elas.» Na Outliers School adicionamos outro ‘pro’, o da prototipagem, ajudando a validar os desafios do presente para novas soluções.

Sobre nossa aliança, compartilhamos a reflexão da equipe da ISE Business School. «Empresas de mídia não devem correr atrás dos desafios trazidos pela tecnologia. Elas devem estar à frente deles. Esta vem sendo uma das demandas trazidas pelos profissionais que recebemos no Master em Jornalismo desde a sua criação, em 1997, pelo Prof. Carlos Alberto Di Franco. E para acompanhar as constantes mudanças que a indústria da mídia enfrenta em ritmo frenético, precisamos nos antecipar às necessidades que pautarão o trabalho nas redações. Como olhar para o futuro de um modo realista? Como lançar tendências e manter-se fiel aos princípios mais caros ao jornalismo? Na tentativa de alcançar este equilíbrio, os programas do Master foram se transformando ao longo dos anos. Desde a primeira turma do Master de Jornalismo para Editores até o atual programa Estratégias Digitais para Empresas de Mídia, nosso trabalho com o desenvolvimento de gestores de empresas editoriais combina a base humanística, presente no estudo da ética, com a análise de dilemas mercadológicos e a provocação de um espírito inovador.

A formação imersiva já reuniu mais de 600 jornalistas de veículos nacionais e internacionais ao longo das duas últimas décadas. Além de professores vindos do exterior e do uso do método do caso, desenvolvido pela Harvard University, os programas do Master oferecem ao participante a possibilidade de experimentar o processo de inovação em um Laboratório de Inovação conduzido pelo Dr Hugo Pardo Kuklinski, da Outliers School. Com a vitalidade de um empreendedor no início da jornada, o jornalista é instigado a olhar para sua própria realidade sob nova perspectiva: identificar as dores de suas audiências e projetar uma solução para elas. A partir daí, embarca em uma sequência de atividades concretas de concepção, desenvolvimento e defesa de produtos capazes de conduzir suas empresas a um novo patamar de atuação.

A postura intra-empreendedora, de fazer a inovação acontecer no veículo onde atua, é uma habilidade cada vez mais necessária nas empresas jornalísticas. Em um mercado editorial nocauteado pela evaporação da verba publicitária, em um país onde o hábito de pagar por notícias ainda é inexpressivo, como o Brasil, não basta reproduzir fórmulas que deram certo noutros lugares. A urgência de faturamento e a escassez de investimento na indústria editorial não deixam que haja uma margem para testes, criação e experimentação de novos produtos jornalísticos. Já que errar não é uma opção, de que forma inovar? Não é raro encontrar redações onde a rotina absorve os profissionais na repetição de processos claramente superados. O esforço leva, geralmente, a produtos que já não atraem o público como antes, à queda na geração de receita e a um encolhimento preocupante do mercado. Quando o jornalismo perde a força, a sociedade enfraquece. E a forma de romper com esta espiral descendente é criar espaços de respiro onde a atividade possa ser repensada, dogmas possam ser revistos e o medo cego de errar ceda lugar à criatividade. Para o Master, estes espaços estão nos programas de desenvolvimento de jornalistas, onde o Laboratório de Inovação da Outliers School testa os limites do potencial criativo de cada profissional e revela jornalistas inovadores, à frente de seu tempo.

Para conduzir esta jornada de inovação, convidamos os participantes de nossos programas a percorrerem o presente manual de trabalho, que se propõe a ser uma ferramenta de apoio às diversas etapas do Laboratório, além de compartilhar algumas das lógicas que sustentam o método adotado. Esperamos que o desfrutem!»